Baú das Mensagens é um blog educacional com sugestões de textos, frases, dinâmicas e dicas para educadores. Iniciado em 16/01/2010.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Conheça meus Baús

Este é o meu 1.º blog desde 2007,
repleto de sugestões e ideias
para Educação de nossas crianças.
♥♥♥

Este é meu blog de dicas sobre informática para
professores e jogos para as crianças.
♥♥♥

Sugestões de dobraduras (origami) e tangram
para as crianças.
Professores têm as instruções e sugestões de utilização.

♥♥♥

Estes espaços são produzidos
para compartilhar meu trabalho,
pesquisas na internet e
sugestões para
professores, coordenadores,
diretores, pais e
pessoas interessadas
em Educação.
Um abraço,
Ivanise Meyer

Vídeos para Reunião de Pais

Vídeos para
Reunião de Pais
~~~~~~~~~~~~~~
Fonte: Youtube (os autores estão relacionados no site)

Exemplos: Pais e Filhos
Comentário: este vídeo tem cenas fortes, mas que nos
convidam à reflexão sobre o poder dos exemplos.
Vale à pena assistir!


♥♥♥
Antes que eles cresçam
Comentário: Vídeo com texto do poeta Affonso Romano de Sant´anna.
O texto nos convida à refletir sobre como o tempo passa depressa,
que eles "crescem"... Vale à pena conferir!


♥♥♥
Organziado por Ivanise Meyer®

Vídeos para Reunião de Pais

Vídeos para Reunião
de Pais
~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Fonte: Youtube (os autores estão relacionados no site)

♥♥♥
100 formas de mostrar as crianças que você se importa
Comentário: em frases simples, esse vídeo traz mensagens para o dia a dia
de pais e filhos. Muito bom para ser usando em reunião!
Parabéns ao editor do vídeo (http://www.juanuribe.com.br/ )!


♥♥♥
Organizado por Ivanise Meyer®

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Mensagens para os Responsáveis


 Importância de um Abraço

“Abraço é saudável. Ajuda o sistema imunológico, cura depressão, reduz o estresse e induz ao sono. Revigora, rejuvenesce e não tem efeitos colaterais.

Abraço é um remédio miraculoso.

Abraço é absolutamente natural. É orgânico, não poluente, naturalmente doce, não contém ingredientes artificiais, é ambientalmente correto e 100% integral.

Abraço é o presente ideal. Excelente para qualquer ocasião, bom para dar e receber, demonstra seu carinho, vem em embalagem própria e, certamente, é totalmente restituível.

Abraço é praticamente perfeito. Dispensa pilhas e prestações mensais, é à prova de fogo, de roubo, e isento de impostos. Abraço é um recurso, pouco explorado, de poderes mágicos.

Quando abrimos o coração e os braços, estimulamos outros a fazerem o mesmo. Pense nas pessoas de sua vida. Quer dizer alguma palavra a elas? Quer abraçar alguma delas? Está esperando que alguma delas dê o primeiro abraço? Não espere mais! Comece!”

Charles Faraone

♥♥♥



Clique na imagem para ampliar.
Você poderá salvar ou copiar.


Organizado por Ivanise Meyer®

Dicas para Reunião com os Pais

Dicas para Reunião com os Pais
♥♥♥

Faz parte da vida dos professores preparar e
conduzir as reuniões com os pais das crianças.
Reuni aqui algumas dicas recolhidas da internet,
 e procedimentos que também uso nesses momentos.
A reunião não é um embate, é um momento de encontro com os pais e a
possibilidade de conversar sobre o andamento da turma.
Caso seja necessário falar sobre um aluno em especial você tem suas opções:
a) deixar para o final os atendimentos particulares;
b) agendar uma data e horário específicos;
Não use a reunião para comentar assuntos particulares na frente de todos.
Deixe isso claro antes de começar.
Vamos lá?!
Mãos à obra!
Ivanise Meyer

♥♥♥

♥ Dicas sobre a reunião ♥

- Cause boa impressão na apresentação: a escola é nosso ambiente de trabalho, exige uma roupa condizente com nossa função. Use uma roupa discreta, sem decotes, transparências ou detalhes que atrapalhem sua movimentação. Não exagere na maquiagem. Se a escola tem um uniforme para os professores, fica mais fácil pois você não terá que escolher o que vestir.

- Deixe a pauta da reunião em lugar visível: um cartaz ou escrito no quadro-de-giz.

- Deixe na sua mesa a documentação da reunião: lista de presença, documentos a serem entregues, textos copiados a serem entregues, pauta da reunião. Não se esqueça das canetas para os pais assinarem.

- Prepare uma lembrança da reunião: pode ser um texto, uma letra de música, uma lembracinha feita pelas crianças (ímã de geladeira, mini-calendário, dobradura, etc). Aqui no Baú das Mensagens há sugestões para você.

- Supere resistências iniciais: use uma dinâmica de apresentação. Se o tempo é curto, leia um texto agradável (providencia cópias para todos os pais, para que possam acompanhar a leitura). Você poderá usar uma música com letra significativa. Se tiver possibilidade, poderá trazer um texto em Power Point.

- Criar um clima favorável: a primeira reunião é a mais difícil, pois não conhecemos os pais. Tente manter a calma, o sorriso e tenha uma pauta de reunião. Eu gosto de deixar numa mesa: café, água gelada, biscoitos (ou bolo), guardanapos e copos descartáveis. Os pais percebem que você se preocupa com eles, isso cria um clima agradável e mais descontraído.

- Cortesia, atenção, simpatia: sempre presentes a qualquer momento.

- Demonstrar sólidos conhecimentos sobre o assunto a ser tratado: uma reunião deve ser preparada com antecedência. Saiba sobre o que vai falar. Os recados da direção devem ser discutidos antes da reunião, se possível devem estar escritos para evitar "interpretações".

- Estabelecer diálogo: os pais devem perceber quando poderão falar. É importante não tratar assuntos particulares na frente de todos. Deixe isso claro ANTES de começar a reunião. Caso alguém insista, peça para deixar para o final.

- Ser assertivo, sem entrar em clima de agressividade.

- Ouvir objeções até o final: mantenha a calma, saiba lidar com situações inesperadas. É a parte delicada da reunião. Caso aconteça, ouça com empatia e responda da melhor maneira possível (dica: se coloque no lugar de quem fala).

- Iniciar pelos aspectos positivos do grupo: todos os grupos têm pontos positivos, procure ressaltá-los.

- Evitar comparações de alunos e classes: isso é muito desagradável (por mais verdadeiro que seja...).

- Não expor o aluno: casos particulares devem ser tratados em atendimentos individuais.

- Deixar claro, sempre que necessário, que a reunião de pais tem como objetivo tratar de assuntos referentes ao grupo.

- Como os pais podem auxiliar ou orientar nas tarefas de casa: muitos pais não sabem como ajudar, precisam de nossa orientação.

- Envolver os pais no processo de aprendizagem do filho: informar como os filhos estão aprendendo e para quê.

- Lembre-se: os pais não esperam explanações teóricas acerca de algum tema. Procure ser objetivo e prático em sua fala.

- Não imponha seus pensamentos religiosos, pois a educação brasileira é laica. Cada um de nós tem liberdade de credo garantido pela Constituição, e deve ser respeitado seja qual for a religião seguida ou não.


♥ Dicas úteis ♥

- Evite gírias: Tá legal, oi cara, tudo em cima?

- Expressões repetitivas: Né; ta; viu? Certo?

- Tratamento íntimo: Meu amor, querido(a), benzinho, flor.

- Expressões dúbias: Eu acho, eu penso que pode ser, talvez, quem sabe?

- Condicionais: Seria, poderia, faria, gostaria.

- Palavras negativas: Impossível, não; sem explicar o porquê.

- "Eu não penso assim, foi a direção que decidiu."

- Falar o nome do aluno ou dos pais errado.

- "Aqui é assim mesmo, o senhor tem razão!"

- Lembre-se! A primeira impressão é a que fica e a última também.

Organizado por Ivanise Meyer®

Mensagens para Professores



Em 1991, a diretora Lúcia me pediu para montar um mural
com uma mensagem para quem entrasse na secretaria.
Foi então que conheci esse texto, não sei a autoria.
Fiz cada frase em uma faixa, enfeitavam o mural várias abelhas
de recorte/colagem e a barra era de papel crepom franzido à mão.
Na época não era costume fotografar,
mas nunca me esqueci desse mural...
Compartilho com vocês a mensagem:



Clique na imagem para ampliar.
Você poderá copiar ou salvar no seu computador.



Organizado por Ivanise Meyer®

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Mensagens para Professores


Mensagens para Professores
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


DECÁLOGO PEDAGÓGICO


Como todo ofício, a docência requer cuidados e habilidades específicas. Logo, para que a aula transcorra com sucesso e tranquilidade, indicamos um decálogo pedagógico, com 10 instruções básicas. Siga essas instruções e colha os frutos de seu trabalho!

1- Contextualize suas aulas.
Traga as lições para o contexto de seus alunos, faça com que cada tema seja abordado de modo significativo, real e prático.

2- Pesquise o tema de sua lição em outros meios.
Faça uso de jornais, revistas diversas, artigos, livros de pesquisa, Internet, etc. Isso dará subsídios para que suas aulas não sejam cansativas ou superficiais.

3- Trabalhe as potencialidades de seus alunos.
Procure explorar o que cada aluno tem de melhor e utilizar isso para o progresso do trabalho educativo. Todos os alunos têm algo de interessante e especial a oferecer.

4- Dinamize suas aulas.
Aulas monótonas e rotineiras só atrapalham a aprendizagem. Ative suas aulas com procedimentos diferentes. Mude o lugar da aula, cante novas canções, estabeleça dinâmicas de grupo e tudo mais que trouxer renovação e mobilização para a turma.

5- Envolva seus alunos.
Não há como o aluno aprender se ele não estiver envolvido com o que será estudado. Mostre para sua classe que os temas abordados têm real importância e valia. Valorize cada tópico e relacione-os com os interesses de sua classe (que é claro, podem ser diferentes dos seus).

6- Estabeleça laços afetivos com sua classe.
É impossível ter um trabalho bem-sucedido se você e seus alunos não tiverem bons laços afetivos. Sentimentos como solidariedade, compreensão e carinho devem ser plantados e cultivados, caso contrário, todo o esforço de seu trabalho será desperdiçado.

7- Trabalhe com a dinâmica de projetos educativos.
Trabalhar com projetos sugere que você proporcione aos alunos a oportunidade de aplicarem na vida prática o que foi aprendido em sala de aula. Permita que a turma eleja um dos assuntos enfocados e, a partir dele, desenvolvam projetos e linhas de ação. Isso fixará o aprendizado e proporcionará grandes chances de novos e consistentes saberes.

8- Tenha autoridade técnica, moral e profissional.
Ter autoridade técnica significa saber dar aulas, utilizar as técnicas corretas e os procedimentos que facilitem a aplicação da aula. Ter autoridade moral significa lidar bem com os alunos, ter um bom relacionamento. Ter autoridade profissional significa dominar os conteúdos que serão aplicados.

9- Opte por uma liderança democrática.
Você, como o líder da classe, tem por obrigação conduzi-la de modo democrático, sem autocracia ou dogmatismos. Esta postura trará resultados positivos e benéficos.

10- Não se ache o detentor do saber.
Um dos grandes erros do professor é crer que sabe de tudo, e que só ele tem razão. O professor também aprende com os alunos e é justamente essa troca que propicia o aprendizado.

Fonte: http://educandocomcarinhoo.blogspot.com/


PRIMEIRO DIA DE AULA

O primeiro dia... Receios e ansiedades que caracterizam o primeiro dia de contato entre as turmas de educadores e alunos podem ser encarados de forma suave e descontraída. O primeiro dia de aula é cheio de emoções conflitantes para alunos e educadores: expectativas de reencontros, alegrias, curiosidades, incertezas, temores. É um momento especial: o nascimento de um grupo que vai trabalhar e aprender junto durante o ano. Vínculos mais profundos podem levar certo tempo para se formar, porém, criar desde o primeiro instante um clima de aceitação e de naturalidade vai estimular o crescimento da confiança mútua e o desejo de participar. Por isso, comece sendo natural e confiante. Não pense na imagem que gostaria de projetar, seja apenas você mesmo (a), naquilo que tem de melhor, de mais afetuoso, de mais entusiasmado e interessado na tarefa.

Programe, sim, cuidadosamente este primeiro encontro, mas deixe pra lá temores e inseguranças. Confie em Deus, que sempre colabora com todos os trabalhos voltados à Educação da criança e do jovem. Se estiver tranquilo, é mais fácil abrir-se para as suas inspirações. E não se apavore se as coisas não funcionarem exatamente como você planejou. Reposicionar-se de acordo com as circunstâncias também é ser humilde.

Receba as crianças em clima de festa, pois estamos celebrando o início de uma nova etapa para todos. Se puder tenha algo especial no ambiente, que mostre que não se trata de um dia qualquer (decoração, música alegre). Um caprichado cartaz de boas-vindas sempre contribui para melhorar as disposições íntimas de todos. Seja bastante afetivo, sem exagerar. Abrace, dê beijos, seja carinhoso (a)! Curta o momento.

É conveniente preparar uma atividade de aquecimento e integração apropriada à turma. A seguir, comece uma conversa amena. Conte quem é você, como você se sente, o que gostaria de fazer. Dê oportunidade para os alunos falarem de si, de como é retornar ou começar na classe, e do que têm vontade de fazer, durante o ano. É uma boa oportunidade para conversar sobre o que significa, para cada um, estar naquele grupo, e o que espera. Afinal, compartilhar é uma das melhores coisas para se fazer em grupo.


Fonte: Rita Foelker (adaptado)


A LENDA DO AMOR

Havia uma pequena aldeia onde o dinheiro não entrava. Tudo o que as pessoas compravam tudo o que era cultivado e produzido por cada um, era trocado. A coisa mais importante, a coisa mais valiosa, era o AMOR.


Quem nada produzia quem não possuía coisas que pudessem ser trocadas por alimentos, ou utensílios, dava seu AMOR. O AMOR era simbolizado por um floquinho de algodão.

Muitas vezes era normal que as pessoas trocassem floquinhos sem querer nada em troca. As pessoas davam seu AMOR, pois sabiam que receberiam outros num outro momento ou outro dia.

Um dia, uma mulher muito má, que vivia fora da aldeia convenceu um pequeno garoto à não mais dar seus floquinhos. Desta forma, ele seria a pessoa mais rica da cidade e teria o que quisesse. Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar AMOR e, em pouquíssimo tempo, sua casa estava repleta de floquinhos, ficando até difícil de circular dentro dela.

Daí então, quando a cidade já estava praticamente sem floquinhos, às pessoas começaram a guardar o pouco AMOR que tinham e toda a HARMONIA da cidade desapareceu. Surgiram a GANÂNCIA, a DESCONFIANÇA, o primeiro ROUBO, o ÓDIO, a DISCÓRDIA, as pessoas se OFENDERAM pela primeira vez e passaram a IGNORAR-SE pelas ruas.

Como era o mais querido da cidade, o garoto foi o primeiro a se sentir-se TRISTE e SOZINHO, o que o fez procurar a velha para perguntar-lhe se aquilo fazia parte da riqueza que ele acumularia. Não a encontrando mais, ele tomou uma decisão. Pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos em cima e caminhou por toda a cidade distribuindo aleatoriamente seu AMOR.

A todos que dava AMOR, apenas dizia:

- Obrigado por receber meu AMOR.

Assim, sem medo de acabar com seus floquinhos, ele distribuiu até o último AMOR sem receber um só de volta.

Sem que tivesse tempo de sentir-se sozinho e triste novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu AMOR. Um outro fez o mesmo... Mais outro... E outro...

Até que, definitivamente, a aldeia voltou ao normal e o AMOR voltou a ser distribuído.

Não devemos fazer as coisas pensando em receber algo em troca. Mas devemos, sempre, lembrar que os outros existem. O sentimento sincero nos é oferecido espontaneamente. Aqueles que te quiserem bem se lembrarão de você. Receber sem cobrar é mais verdadeiro...

Receber AMOR é muito bom. E o simples gesto de lembrar que alguém existe é a forma mais simples de fazê-lo.

Este é o meu floquinho para você !!!

Não acumule seus floquinhos... Distribua-os a todos... Eles podem ser na forma de um abraço, um beijo, um aperto de mão, um telefonema, uma oração, uma carta e também um e-mail ! Distribua...

E lembre-se: NUNCA GUARDE O AMOR QUE VOCÊ TEM! É DANDO AMOR, QUE SE RECEBE AMOR!

Retirado do Blog de Adriana Fonseca:
http://www.contarerecontarparaencantar.blogspot.com/ 



SE A ESCOLA FOSSE UMA ORQUESTRA

Se a escola fosse uma orquestra, seria possível ouvir-se a sinfonia da compreensão humana?

Como haver sinfonia se cada músico está com seu instrumento em um tom? Onde está o autor da sinfonia? Ou será que a orquestra é que não quer tocá-la?

A orquestra está desafinada.

E o maestro? Deve ser responsabilizado pelo insucesso?

E os ouvintes, por que não gritam?

Estão mudos?

Não; não sabem gritar.

Gritam , às vezes, buscando em outro músico o fracasso advindo do tom desafinado que emitem.

E você? Também é músico nesta orquestra?

A escola nunca será orquestra, se cada músico não se afinar. Os músicos devem interpretar a partitura da compreensão humana, para atender a cada ouvinte na sua individualidade.

Não basta simplesmente tocar.

A harmonia entre os músicos e os ouvintes é a compreensão, o respeito, a doação, o "assumir", é a responsabilidade, o envolvimento com o trabalho.

Reaja diante da música. Se um tom soa-lhe desafinado, pare!

O ponto de espera é calmo e longo; com sua ajuda virá outra música. Com certeza será o início de uma verdadeira orquestra onde todos possam entoar a música da Paz, da Harmonia, da Colaboração, do Respeito Mútuo.


Organizado por Ivanise Meyer®

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Mensagens para Professores



O que uma Educadora deve ter...

Uma memória de elefante, para de tudo se lembrar.
Uma paciência de anjo, para a todos educar.
Olhos à volta da cabeça, para tudo poder ver.
Resposta automática, para a todos responder.

Microfone incorporado, para tudo registar.
Umas costas bem largas, para tudo isto aguentar.
Ouvidos com controle de intensidade, para não ficar com a cabeça atordoada.
E uma voz bem resistente, para não ter de ficar calada.

Oito braços como um polvo, para a todos ajudar.
E um coração de criança, para tudo apreciar.
Um bom filtro nasal, para aos maus cheiros resistir.
E um enorme bom humor, para tudo encarar a rir!

Mais 10 dedinhos de fada, que ajudem a trabalhar…
E umas pernas de atleta, para os mais pequenos apanhar.
Conhecimentos de informática, para usar o computador.
E também de medicina, para aliviar a dor.

Precisa também de ter muita cultura geral.
E nas áreas científicas, não poderá dar-se mal…
Biologia, Matemática e também Meteorologia.
Para além de Físico-química e também Geografia.

Tem de saber Psicologia, para lidar com as pessoas.
E dizer, sem magoar, às vezes coisas menos boas…
Enfim, uma Educadora à medida da necessidade,
Só feita por encomenda, não vos parece verdade?

(Autor Desconhecido)
Retirado do blog: http://ritanaterradosonhos.blogspot.com/



Sou Educadora


Quando digo que sou educadora de infância em geral, respondem com um “Ah” tão insípido, que gostaria de dizer:

Em que outra profissão poderias pôr laços no cabelo, fazer penteados inovadores e ver um desfile de moda todas as manhãs?
Onde te diriam todos os dias “És linda”?!!!
Em que outro trabalho te abraçariam para te dizerem o quanto te querem?
Em que outro lado te esquecerias das tuas tristezas para atender a tanto joelho esfolado, e coração afligido?
Onde receberias mais flores?
Onde mais poderias iniciar na escrita,
uma mãozinha que, quem sabe, um dia poderá escrever um livro

Em que outro lugar receberias de presente um sorriso como este?
Em que outro lugar te fariam um retrato grátis através de um desenho?
Em que outro lugar as tuas palavras causariam tanta admiração?
Em que trabalho te receberiam de braços abertos depois de teres faltado um dia?
Onde poderias aprofundar os teus conhecimentos sobre bichos da seda, caracóis, formigas e borboletas?
Em que outro lugar derramarias lágrimas por ter que terminar um ano de relações tão felizes?

Sinto-me GRANDE
Trabalhando com pequenos
A todos os educadores de infância, que tanto semeiam para que outros recolham
A todos os que escolheram esta profissão…
Obrigada!

Traduzido e adaptado de: “Soy Maestra”
Conheci este texto no blog de Teresa Carneiro: http://matecarneiro.blogspot.com


Ser educador nos dias de hoje
Raquel Martins

Os nossos meninos não são os de antes…
Trocaram os brinquedos de madeira pelos sofisticados
brinquedos de luz e som, que só com o simples toque numa
tecla fazem aparecer o mundo fantástico da eletrônica.

As educadoras não as de antes…
Fotocopiam, ampliam, colam papéis de texturas maravilhosas,
e reconstroem pegadas de animais pré-históricos só com o
simples ato de misturar água e gesso…

Mas há coisas que não mudam, que o tempo e os anos
respeitam… O olhar de uma criança de mão dada com o/a
seu/sua educador(a) e o contato silencioso, caloroso,
são sinais entranhados de um código único,
de um sentimento profundo de amizade.

Uma criança e o/a seu/sua educador(a)…são capazes de tudo.
Podem passar horas juntos escutando cantigas, resolvendo
problemas com carícias e pauzinhos ou simplesmente brincar
com a imaginação. Podem fazer as maiores invenções e tentar
salvar o mundo plantando uma árvore.

Não são as crianças de antes…
As educadoras e os educadores não são os de antes…
O mundo não é o de antes...

Mas há coisas que não mudam, a capacidade de
deslumbramento, a força da natureza, o olhar de uma
criança e o carinho de um(a) educador(a)
que se entrega sem condições, dia-a-dia,
que sonham e trabalham juntos por um mundo
melhor, com um código único, eterno, poderoso,
indestrutível: o de uma profunda amizade.



Terapia do Elogio
Arthur Nogueira (Psicólogo)

Renomados terapeutas que trabalham com famílias, divulgaram uma recente pesquisa onde nota-se que os membros das famílias brasileiras estão cada vez mais frios, não existe mais carinho, não valorizam mais as qualidades,só se ouvem críticas.

As pessoas estão cada vez mais intolerantes e se desgastam valorizando os defeitos dos outros. Por isso, os relacionamentos de hoje não duram.

A ausência de elogio está cada vez mais presente nas famílias de média e alta renda. Não vemos mais homens elogiando suas mulheres ou vice-versa,não vemos chefes elogiando o trabalho de seus subordinados, não vemos mais pais e filhos se elogiando..é mais comum elogiar um desconhecido ou um amigo que só encontramos socialmente do que uma pessoa da família que convive diariamente com você...

Essa ausência de elogio tem afetado muito as famílias. A falta de diálogo em seus lares, o excesso de orgulho impede que as pessoas digam o que sentem e levam essa carência para dentro dos consultórios. Acabam com seus casamentos, acabam procurando em outras pessoas o que não conseguem dentro de casa.

Vamos começar a valorizar nossas famílias! Vamos elogiar o bom profissional, a boa atitude, a ética, a beleza de nossos parceiros ou nossas parceiras, o comportamento de nossos filhos.Vamos observar o que as pessoas gostam. O bom profissional gosta de ser reconhecido, o bom filho gosta de ser reconhecido, o bom pai ou a boa mãe gostam de ser reconhecidos, o bom amigo, a boa dona de casa, a mulher que se cuida, o homem que se cuida, enfim vivemos numa sociedade em que um precisa do outro, é impossível um homem viver sozinho, e os elogios são a motivação na vida de qualquer pessoa.

Quantas pessoas você poderá fazer feliz hoje elogiando de alguma forma?

Então elogie alguém hoje!

Eu começo!!!



Organizado por Ivanise Meyer®

Mensagens para Reunião


Mensagens para reunião
com responsáveis
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Clique na imagem para ampliar.
Você poderá copíar ou salvar.

Educar nos Três Tempos

Eu educo hoje, com os valores que recebi ontem,
para pessoas que são o amanhã.
Os valores de ontem, os conheço.
Os valores do hoje, percebo alguns.
Os de amanhã, não sei.
Se só uso os de ontem, não educo: COMPLICO.
Se só uso os de hoje, não educo: CONDICIONO.
Se só uso os de amanhã, não educo: FAÇO EXPERIÊNCIAS.
Se uso os três, sofro. Mas educo.
Por isso, educar é perder sempre, sem perder-se.
Educa quem é capaz de fundir ontens, hojes, amanhãs, transformando-os num presente
onde o amor e o livre arbítrio sejam as bases.

Marcos Ribeiro
Quando educas?

Não educa quando impõe suas convicções,
mas quando suscita convicções pessoais.

Não educa quando impõe condutas,
mas quando propõe valores que motivem.

Não educa quando impõe caminhos,
mas quando ensina a caminhar.

Não educa quando impõe dependências,
mas quando acorda a coragem de ser livre.

Não educa quando impõe suas ideias,
mas quando fomenta a capacidade de pensar por conta própria.

Não educa quando impõe o terror que isola,
mas quando libera o amor que acerca e comunica.

Não educa quando impõe sua autoridade,
mas quando cultiva a autonomia do outro.

Não educa quando impõe a uniformidade que doutrina,
mas quando respeita a originalidade que faz a diferença.

Não educa quando impõe a verdade,
mas quando ensina a procurá-la honestamente.

Não educa quando impõe uma punição,
mas quando ajuda a aceitar um castigo.

Não educa quando impõe disciplina,
mas quando forma pessoas responsáveis.

Não educa quando impõe autoritariamente o respeito,
mas quando o ganha com autoridades de pessoa respeitável.

Não educa quando impõe o medo que paralisa,
mas quando consegue a admiração que estimula.

Não educa quando impõe informação à memória,
mas quando mostra o sentido da vida.

Não educa quando impõe a Deus,
mas quando o faz presente na tua vida.
(Autor desconhecido)
Organizado por Ivanise Meyer®

Textos sobre Adaptação



UM TOQUE ESPECIAL

Adaptação escolar
Dra. Evelyn Pryzant

O momento ideal para a criança ingressar numa escola é visível, as avós comentam, os vizinhos questionam e principalmente os pais percebem que só a companhia dos adultos já não satisfaz todas as necessidades de descobertas, do contato com outras crianças, a exigência de mais espaço, de brincadeiras novas. É quando o muro de casa se torna um limite evidente...

O início da vida escolar é um acontecimento significativo para toda a família, que terá dois grandes desafios pela frente: o ambiente desconhecido e a separação da mãe. Os pais podem e devem ajudar seus filhos neste momento tão importante.

A criança precisará ser preparada para começar a freqüentar a escola. Existem alguns cuidados básicos que facilitam o processo.

Visitar a escola, conhecer o espaço, se possível em época de aulas para ver as outras crianças brincando e interagindo entre elas e com as professoras, ajuda a formar a cena para sua imaginação.

O ingresso na escola não deve jamais coincidir com algum outro acontecimento importante na vida da criança, como uma mudança de casa ou cidade, uma doença grave, a separação dos pais, a morte de alguém próximo, ou mesmo o nascimento de um irmão. Nesses episódios ela necessita de um tempo de recuperação, adaptando-se primeiro à nova situação para depois adaptar-se à nova escola, é melhor esperar.

Quanto à escolha do período, é bom que se faça em função da criança. Se ela dorme até mais tarde, deveria ser matriculada no período da tarde. Se dorme depois do almoço, o período preferível é o da manhã. Para as mães que trabalham fora, o melhor é que o período coincida com o do trabalho.

De preferência, a separação deve se dar aos poucos. Existem escolas que permitem uma separação gradual, deixando a mãe ficar com o filho na sala de aula ou na escola, nas primeiras semanas. É importante que a mãe deixe claro que não o está abandonando e voltará para levá-lo para casa, fazendo o possível para buscá-lo na hora exata da saída, sendo honesta com a criança, despedindo-se dela quando for sair. Só assim ela poderá se concentrar nas atividades propostas, e deixar de olhar todo o tempo para porta para saber se sua mãe já desapareceu.

A possibilidade da separação materna dependerá muito da atitude emocional da mãe. Não é possível compreender os sentimentos de uma criança sem pensar nos sentimentos que envolvem os pais. O sentimento de uma mãe, que leva seu filho na escola no primeiro dia de aula, é muito similar àquele vivido pela criança.

A mãe que tem que deixar o seu filho para trabalhar, pode se sentir culpada por não estar com ele o tempo todo e acaba se achando a última dos mortais. Essa experiência é vivida com dor. Na verdade, qualquer separação causa dor mental. O fato é que somente através da falta da mãe, e da necessidade da criança sair em busca de suas necessidades, por seu próprio esforço, é que se dará seu desenvolvimento emocional. O sentimento de culpa é uma emoção natural deste momento, pois ao mesmo tempo que ter que separar-se pode parecer impossível, algumas vezes é um alívio.

Há uma grande ambivalência dos pais que por um lado desejam cuidar e proteger os filhos, e por outro também querem descansar e retomar suas vidas. Este sofrimento poderia ser menor se lembrassem que ser boa mãe ou bom pai não significa estar interagindo o dia inteiro com a criança. O que conta é a qualidade da relação quando estão perto. Uma mãe que se dispõe a refletir sobre suas emoções, sem medo, poderá ensinar seu filho a fazer o mesmo e repartir seus anseios, o que acabaria por unir ao invés de separar.

As crianças mais independentes muitas vezes são parte de uma família numerosa, ou filhos de pais que trabalham fora e que aprenderam a se organizar sozinhos, o que não garante que sua adaptação seja mais tranquila. É comum filhos únicos terem mais dificuldades, por estarem acostumados a ter todos os problemas solucionados pelos adultos, o que os torna despreparados para lidar com fortes emoções. A melhor maneira de ajudar a criança é deixá-la, sempre que possível, encontrar seu caminho para a independência.

A pré-escola é uma oportunidade que a criança tem de se desenvolver intelectual e emocionalmente, enfrentando as dificuldades sozinha, começando a lidar com outros adultos que não seus pais nem seus familiares. Por isso, ela deve sentir que o ambiente lhe oferece carinho, afeto e segurança, semelhante ao que sente em casa. Se a mãe constatar realmente um olhar triste na criança, que abarque todo o seu estado geral, deve falar novamente com a professora. Ela é uma pessoa fundamental na vida da criança e pode diminuir a importância da mãe, que deverá estimular seu filho quando ele estiver com medo, e mostrar-se o mais confiante possível. Evitar chacotas em torno dos temores infantis é algo que deve ser cumprido à risca. Tais temores desaparecerão por si só, quando a criança tiver experiência bastante para enfrentar as vicissitudes da vida.

Graças à educação em grupo, a criança desenvolve a receptividade e a sensibilidade ao mundo exterior; aprende a vencer a timidez e insegurança, a colaborar e trabalhar em equipe, aprende a trocar e emprestar brinquedos; a conviver com outras crianças, a defender-se, se comunicar e se expressar melhor.

O mundo da criança com sua família está apoiado em bases sólidas e confiáveis. Um mundo mais amplo a espera para acrescentar sua parte ao que ela já construiu como modelo de vida. A partir daí, os pais podem então observar seu filho tornar-se uma criança como qualquer outra. A coisa mais importante que existe terá sido conquistada: uma outra pessoa.

Publicação: Março 2001 - Edição: 8




Adaptação Escolar
Simaia Sampaio


Seu filho vai à escola pela primeira vez. É normal que isto gere um misto de alegria e ansiedade, pois tudo aquilo que é novo e desconhecido é sempre encarado como um desafio e, no caso do período escolar, é um desafio para a criança, para os pais e para a escola. Como você pode ajudar a criança nesta nova socialização de sua vida?

Veja aqui algumas dicas:

1. Antes de mais nada, sentir confiança na escola que seu filho irá estudar é imprescindível. Antes de matriculá-lo procure ver se o método adotado corresponde às suas expectativas e crenças.

2. Muitos pais se perguntam qual a idade ideal para colocar seus filhos na escola. Alguns começam cedo, já no berçário e outros só após os dois anos. Isto deve variar conforme a necessidade e o modo de pensar dos pais. É certo que com três anos a criança já saberá expressar muito melhor suas necessidades, já não estará usando fraldas, mas não há problemas se a criança iniciar mais cedo, contanto que ela esteja bem adaptada. Você se surpreenderá com seu desenvolvimento.

3. É importante que você leve seu filho para conhecer a escola antes de iniciar as aulas. Mostre a ele as novidades, leve-o ao parquinho, à sala de aula, ao auditório, à quadra e em cada lugar vá explicando como vai ser bom e as coisas legais que ele vai fazer como jogar bola, pintar, desenhar, fazer colagem, aprender músicas etc.

4. Mostre o material como uniforme, lancheira, copinho etc, para que ele já se sinta parte integrante da escola.

5. Você deverá se programar para ficar na escola no período de sua adaptação. Para a criança, todos são estranhos e você será o suporte, o apoio. Lembre-se, porém, de não interferir nas atividades da professora. De preferência fique do lado de fora da sala e apareça de vez em quando. Vá espaçando este tempo até sentir que ele realmente não sentirá mais sua ausência.

6. Para o lanche procure enviar a quantidade que seu filho costuma comer e o que ele gosta. Envie sempre duas opções de lanche, pois ele irá reparar no lanche variado dos coleguinhas. Não envie refrigerantes, nem sucos, pois estes últimos perdem seu valor calórico após um período. Prefira que ele beba água ou um iogurte, ou leite achocolatado para acompanhar.

7. Se seu filho ainda usa fralda, não esqueça de mandar fraldas descartáveis e roupa extra. Normalmente a escola incentiva na retirada das fraldas levando todas as crianças em um dado momento ao banheiro. Mesmo assim, é normal que a criança urine e suje a roupa nesta fase.

8. Interesse-se pelas novidades que ele irá contar ao chegar em casa, tais como: aniversários, atividades, teatrinho, parque, pintura, hora do lanche, etc.

9. Procure sempre estar presente nas apresentações. Ele se sentirá orgulhoso. Leve máquina, filmadora e tudo que você, como mãe e pai corujas, têm direito. Não se envergonhe disto, pelo contrário, faça questão de mostrar a seu filho que você está sempre presente.

10. É normal que, mesmo a criança adaptando-se com facilidade, tenha uma recaída depois, seja porque um coleguinha o está incomodando, seja porque voltou de férias ou qualquer outro motivo. Neste caso, procure verificar o que está acontecendo e lhe dar muito apoio, conversando bastante. Se o caso for muito grave do tipo ele fazer escândalo para não ir à escola, procure ir junto, fazendo uma readaptação até ele se sentir seguro, mas não o tire da escola a não ser que o problema seja com a escola, aí sim é melhor trocar.

Atenção!

Não desista na primeira dificuldade. Muitos pais se sensibilizam com a resistência dos filhos à adaptação escolar e acabam retardando este momento. Não aconselho isto. O ideal é que você esteja ao lado dele e converse muito. O que você deve ter em mente é que estará preparando seu filho para conviver em sociedade, aprendendo a compartilhar, a ter limites, além de aprender o que todos esperam: a ler e escrever. Desde já parabéns e boa sorte!



Organizado por Ivanise Meyer®

Dinâmica: Conhecendo-se

Dinâmica:
Conhecendo-se

Clique na imagem para ampliar.
Sugestão para dinâmica de apresentação
para o grupo.
Após as escritas, cada participante comenta sobre suas respostas
se apresentando para o grupo.

Organizado por Ivanise Meyer®

domingo, 17 de janeiro de 2010

Presente da blogAmiga Betty


Presente da minha blogAmiga Betty

Betty é uma pessoa especial que conheci aqui
neste espaço virtual.
Ela fez uma linda postagem em seu blog:

♥♥♥
Seus outros blogs também são maravilhosos,
indico para vocês:
♥♥♥
Betty, muito obrigada
pela postagem, pelas palavras carinhosas
e pelo selinho.
Um beijinho no coração,
Ivanise :)

sábado, 16 de janeiro de 2010

Mensagem: Educação Infantil


Tudo que eu devia saber
aprendi no Jardim de Infância
Robert Fulghum


A maioria das coisas que eu realmente precisava aprender sobre como viver, fazer e ser, eu aprendi no Jardim de Infância.

Sapiência não se encontrava no topo da montanha das escolas de pós-graduação, mas no pátio do jardim.

Essas são as coisas que aprendi: compartilhar todas as coisas; “jogue limpo” e não bata nos colegas. Não pegue nada que não seja seu; limpe a bagunça que você fez. Coloque tudo de volta nos seus lugares. Peça desculpas quando você magoar alguém. Sempre dê a descarga e lave as mãos, sobretudo, antes das refeições. Viva uma vida equilibrada: além de trabalhar, desenhe, pinte, cante e dance um pouco todos os dias. Lembre-se também de que leite frio e biscoitos fresquinhos podem ser bons para você.

Tire uma soneca à tarde e, quando sair às ruas, cuidado com o trânsito, dêem as mãos e permaneçam juntos. Cultive a imaginação. Lembre-se da semente de feijão que a professora colocava no vaso de água. As raízes cresciam para baixo e as folhas para cima e ninguém sabia explicar por quê. Nós somos parecidos. Os peixinhos do aquário, os passarinhos da gaiola, as sementes do feijão, todos morrem também.

Recorde-se do grande e melhor conselho da época: Olhe! Olhe ao seu redor! Tudo o que você precisa saber está aí a sua volta. As regras de ouro: paz, amor, ecologia e uma vida saudável.

Imagine como o mundo seria melhor se todos tivessem um lanchinho com leite e biscoitos às 3 da tarde e, em seguida tirassem uma soneca. Imagine se fosse política nacional que todos os cidadãos tivessem que limpar a sua própria bagunça e colocar as coisas de volta em seus lugares. Imagine se todos dessem as mãos e permanecessem juntos.

Adaptado e traduzido por Paulo R. Motta

Fonte: Tudo que Eu Devia Saber Aprendi no Jardim de infância - Robert Fulghum – ed. Best Seller (ISBN 8571239045)
Dr.Robert Fulghum: Escritor americano, cujos livros estão traduzidos em 27 línguas. É filósofo, teólogo, dedica-se às Artes e é professor numa universidade americana.



Organizado por Ivanise Meyer®


Olá, visitante! Mais um baú!



Olá, visitante!

Este blog é um espaço para divulgar
frases, pensamentos e mensagens.
Postarei aqui também
dinâmicas,
vídeos
e sugestões que possam ser úteis.
Colocarei as referências (créditos),
sempre que for possível.
Para facilitar a busca,
as postagens terão marcadores
que aparecerão no
índice do blog.
Fique à vontade
e se quiser
deixe um recadinho (no mural)
ou comentário.
Um beijinho,
Ivanise Meyer

♥♥♥

"Feliz é aquele que transfere o que sabe
 e aprende o que ensina."
(Cora Coralina)


Organizado por Ivanise Meyer®
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...